PRECISAMOS FALAR SOBRE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA PANDEMIA

  • Veronica Eloi de Almeida Doutora em Sociologia - Núcleo de Pesquisa em Sociologia da Cultura - UFRJ/IFCS. Pesquisadora do Mestrado em novas tecnologias digitais na educação - UNICARIOCA https://orcid.org/0000-0003-4694-8617
Palavras-chave: Educação a distância, Docência, Ensino e aprendizagem

Resumo

A democratização do ensino superior através da educação a distância (EAD) vem acompanhado da fragilização de vínculos entre universidades e docentes.  O objetivo deste artigo é aproveitar o período da pandemia, onde a educação só é possível remotamente, para refletir sobre o lugar do docente na EAD, através de uma pesquisa bibliográfica. O lugar do docente tem sido o da desvalorização, mas a pandemia pode ser uma oportunidade para o repensar das estruturas e de seus agentes, para que sejam criadas novas práticas, políticas e ações que reposicionem os docentes e a educação.

Referências

ANDRADE, M. “É a educação um direto humano? Por quê?”. IN: CANDAU, V.M.; SACAVINO, S (Orgs.). Educação em direitos humanos: temas, questões e propostas. Petrópolis: DP et Alli Editora, 2008.
BALMANT, O. Polos de ensino superior a distância crescem 133% em um ano. Folha de S. Paulo, São Paulo, 26 jul. 2018. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2018/07/polos-de-ensino-superior-a-distancia-crescem-133-em-um-ano.shtml Acesso: 15 mar. 2020.
BRASIL. Lei nº 13.467, de 13 de julho de 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13467.htm Acesso: 14 maio. 2020.
BRASIL. Ministério da Educação. Decreto 9.057. 25 maio. 2017b. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/20238603/do1-2017-05-26-decreto-n-9-057-de-25-de-maio-de-2017-20238503 Acesso: 14 maio.
CASTELLS, Manuel. Esperança. Artigo publicado originalmente em La Vanguardia, 02-05-2020. A tradução é do Cepat. Disponível em : http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/598701-esperanca-artigo-de-manuel-castells Acesso: 14 maio. 2020.
CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.
FRANCO, T.; DRUCK, G.; SELIGMANN-SILVA, E. As novas relações de trabalho, o desgaste mental do trabalhador e os transtornos mentais no trabalho precarizado. Rev. bras. saúde ocup., São Paulo, v. 35, n. 122, p. 229-248, Dec. 2010
Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0303-76572010000200006&lng=en&nrm=iso Acesso: 16 ago. 2020.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
LEVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Ed. 34, 1993.
MENDES, V. O trabalho do tutor em uma instituição pública de ensino superior. Educ. rev., Belo Horizonte, v. 28, n. 2, p. 103-132, junho 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982012000200006#tx02 Acesso: 16 mar. 2020.
MILL, D.; VELOSO, B. G. Precarização do trabalho docente na educação a distância: elementos para pensar a valorização da docência virtual. Educação em foco. Juiz de Fora. v. 23, n. 1, p. 112-132, Jan/abr 2018. Disponível em: file:///C:/Users/veron/Downloads/20005-Texto%20do%20artigo-81159-4-10-20190730.pdf Acesso: 16 ago. 2020.
SERRES, M. A lenda dos anjos. São Paulo: Aleph, 1995.
TRINDADE, A.; SANTOS, R. dos (Orgs.) Multiculturalismo: mil e uma faces da escola. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.
Publicado
2020-09-25