APLICAÇÃO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS ENQUANTO POLÍTICAS EDUCACIONAIS PARA INTERMEDIAR AS PRÁTICAS EDUCATIVAS NA REDE DE ENSINO DE QUIXERAMOBIM EM TEMPOS DE ISOLAMENTO SOCIAL

EXPERIÊNCIA COM ENSINO REMOTO EMERGENCIAL

Palavras-chave: Políticas Educacionais, Ensino Remoto Emergencial, Tecnologias da Informação e Comunicação, Trabalho Docente

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo descrever as principais intervenções que culminaram em políticas educacionais emergenciais que foram adotadas no sistema de ensino público do município de Quixeramobim, localizado na região do Sertão Central do estado do Ceará. As iniciativas priorizaram a continuidade das práticas educativas por meio dos recursos tecnológicos nesse período de isolamento social e suspensão das aulas presenciais por conta da COVID-19, em meados de março de 2020. Refletindo sobre as características do ensino remoto emergencial, utilizou-se a metodologia de pesquisa-ação, colhendo dados a partir de entrevistas online com os atores educacionais e analisando-os qualitativamente, tomando notas sobre os principais acontecimentos nos quais os sujeitos da pesquisa envolveram-se, elencando as principais ações e recursos utilizados durante essa experiência. Destacam-se os principais impactos obtidos no trabalho docente e no cotidiano da comunidade escolar e seus desfechos demonstraram ser oportunos a continuidade e ampliação do emprego das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), no apoio das escolas junto ao trabalho presencial, quando este for normalizado, bem como, destacam que no cenário de isolamento social instaurado, as políticas públicas educacionais implementadas foram capazes de manter a aprendizagem dos discentes da rede de ensino, diagnosticando pontos estratégicos que devem ser futuramente tratados pelos gestores locais.

Biografia do Autor

Helton John Rodrigues dos Anjos, Universidade Estadual do Ceará - UECE

Graduado em Gestão da Tecnologia da Informação pela Universidade Estácio de Sá. Graduando em Licenciatura em Computação pela Universidade Estadual do Ceará, UECE. Pós-Graduando em Tutoria em Educação a Distância e Docência do Ensino Superior pela Faculdade Única. Atualmente exerce a função de gestor de Informática Educativa na Secretaria de Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação de Quixeramobim, Ceará. Pesquisador das áreas de educação, formação docente, políticas públicas educacionais e tecnologia da informação e comunicação. Integra o grupo de pesquisa de química teórica e educação (GQTE), (Universidade Estadual do Ceará/UECE).

Sandro Olímpio Silva Vasconcelos, Universidade do estado do Rio Grande do Norte, Programa de pós-graduação em educação - (POSEDUC UERN)

Mestrando em educação na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, UERN, Licenciado em Música pela Universidade Estadual do Ceará (2005). Especialista em Psicpedagogia clínica e institucional - ESAB. Graduando em informatica - Licenciatura - UECE - Atualmente é professor de Artes no Ensino Médio - Secretaria de Educação do Estado do Ceará.

Márcia Machado Marinho, Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Iguatu (FECLI)

Doutoranda em Ciências Farmacêuticas na UFC, com Mestrado em Biotecnologia na Universidade Federal do Ceará / Campus de Sobral (2011). Fez Especialização em Assistência Farmacêutica na Escola de Saúde Pública do Ceará (2002). Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Ceará (1997) e Licenciatura em Química pela Universidade Estadual do Ceará (2014). Tem experiência: na área de Farmácia (Gestão em Saúde; Assistência Farmacêutica), Biotecnologia, atuando principalmente nos temas atenção farmacêutica, educação, ciência de materiais, aproveitamento de resíduos; e na área de Ensino em Química.

Gabrielle Silva Marinho, Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Iguatu (FECLI)

Professora Assistente da Universidade Estadual do Ceará (UECE) do Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Iguatu (FECLI) - Docente do Setor de Estudos: Política, Planejamento e Gestão Educacional. Doutora e Mestre em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Linha de Pesquisa em Avaliação Educacional(NAVE) - Eixo Temático: Avaliação Institucional.Licenciada em Pedagogia pelo Centro Universitário Christus (UNICHRISTUS). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Avaliação e Gestão Educacional (GPAGE). CV:http://lattes.cnpq.br/3696031677014276 E-mail: gabrielle.marinho@uece.br.

Emmanuel Silva Marinho, Universidade Estadual do Ceará - UECE

Possui graduação em Química pela Universidade Federal do Ceará, mestrado e doutorado em Bioquímica pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente, é professor Adjunto da Universidade Estadual do Ceará. Atua em pesquisa nas áreas de: Química Teórica, Química Computacional, Química Ambiental, Ciência de materiais, Bioquímica e Bioinformática. Também desenvolve pesquisas na área de simulação de estruturas biológicas, e de propriedades eletrônicas e estruturais de moléculas de interesse biológico e ambiental por meio de cálculos ab initio e DFT. Atualmente é coordenador do Grupo de Química Teórica e Eletroquímica ( GQTE ) da Faculdade De Filosofia Dom Aureliano Matos Da Universidade Estadual Do Ceará. Na área extensionista desenvolve projeto relativo ao meio ambiente, com especial atenção ao tema água e pesticidas na Chapada do Apodi- Ce.

Normandia de Farias Mesquita Medeiros, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Ceará, mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2005). Tem experiência na área de Educação, com ênfase na Formação de Professores, atuando principalmente nos temas: Estágio Supervisionado, Pesquisa Educacional, Prática de Ensino, Didática, Curriculo e Educação de Jovens e Adultos. Desenvolveu experiências no programa de gestores no Estado do Ceará (PROGESTÃO), atuou como Assessora Pedagógica na Coordenadoria de Estudo e Pesquisa na Educação de Jovens e Adultos (CEPEJA/UECE), Coordenou um dos núcleos das licencenciaturas da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), Fortaleza-Ce. Atualmente é professora adjunta II da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) - curso de graduação e vice coordenadora do programa de pós-graduação em educação (POSEDUC), linha de pesquisa práticas educativas, cultura, diversidade e inclusão. Integra (líder) o grupo de pesquisa em formação e profissionalização do professor (Faculdade de Educação/UERN)

Referências

BRASIL. Câmara dos Deputados. Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica. Um Computador por Aluno: a experiência brasileira. Série Avaliação de Políticas Públicas, Brasília/DF, n.1, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer Conselho Nacional de Educação Nº 5/2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Brasília/DF. MEC, 2020. Disponível em . Acesso em: 18 mai. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília/DF. MEC, 2018. Disponível em . Acesso em: 11 mai. 2020.

COSTA, Renata. Lições do coronavírus: ensino remoto emergencial não é EAD. Desafios da Educação, 02 abr. 2020. Redação. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2020.

FETTERMANN, J. V.; CAETANO, J. M. P. Ensino de línguas e novas tecnologias: diálogos interdisciplinares. Campos dos Goytacazes, RJ: Brasil Multicultural, 2016.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Quixeramobim – Panorama. 2020. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2020.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento da era da informática. 34. ed. 1998.

MORAN, J. M. A distância e o presencial cada vez mais próximos. 2010. Disponível em: . Acesso em: 18 mai. 2020.

MORAN, J. M. Educação inovadora presencial e a distância. São Paulo, SP: CA; USP, 2003. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2020.

NÓVOA. António. Conversa com António Nóvoa - Sindicato Dos Professores Sindprofnh. Facebook: sindprofnh, 6 abr. 2020, 6min12s. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2020.

MOREIRA, A. F. B.; KRAMER, S. Contemporaneidade, educação e tecnologia. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, 2007. Disponível em: . Acesso em: 23 mai. 2020.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2009.

TOMAZINHO, Paulo. Ensino Remoto Emergencial: a oportunidade da escola criar, experimentar, inovar e se reinventar. SINEPE/RS, 2020. Disponível em: . Acesso em: 30 mai. 2020.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e pesquisa, v. 31, n. 3, p. 443-466, 2005. Disponível em: . Acesso em: 19 mai. 2020.

UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Diretrizes de políticas da UNESCO para a aprendizagem móvel. Traduzida pela representação da UNESCO no Brasil. Brasília/DF. 2013. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2020.

SECTI - Secretaria de Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação de Quixeramobim. Estrutura organizacional. 2020. Disponível em . Acesso em: 18 mai. 2020.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

WARSCHAUER, Mark. Tecnologia e inclusão social: a exclusão digital em debate. Trad.: Carlos Szlak. São Paulo: Editora Senac, 2006.
Publicado
2020-12-11