FIRE IN RIO

JOGO SÉRIO PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DE COMBATE AO PRINCÍPIO DE INCÊNDIO

  • Marcos Antonio Gomes Xavier Sócio Fundador e CEO da Ita House Informática. Mestre em Novas Tecnologias Digitais na Educação. Doutorando em Gestão de Sistemas Complexos pelo PPGI/UFRJ https://orcid.org/0000-0001-5898-416X
  • André Cotelli Espírito Santo Colaborador de Projetos no Instituto de Engenharia Nuclear. Professor no Centro Universitário Carioca. Mestre em Ciência e Tecnologia Nucleares pelo IEN. https://orcid.org/0000-0002-6593-5259
  • Antonio Carlos de Abreu Mól Pró-Reitor de Ensino na Comissão Nacional de Energia Nuclear. Pesquisador INCT. Professor no Centro Universitário Carioca. Doutor em Engenharia Nuclear pela COPPE/UFR. https://orcid.org/0000-0002-1744-1692
Palavras-chave: Jogo sério, Combate ao incêndio, Ensino e aprendizagem

Resumo

O desconhecimento da população em geral sobre o procedimento de combate ao princípio de incêndio e na forma pouco atrativa de como é apresentado este procedimento são fatores que interferem na cultura de prevenção no Brasil. Assim, este artigo apresenta um estudo sobre o Fire In Rio, um jogo sério que permite ao usuário aprender os procedimentos básicos do combate ao princípio de incêndio, pois é uma reprodução lúdica de um treinamento. A metodologia utilizada foi o estudo de caso. Na coleta de dados, foram aplicados questionários e utilizou-se a fase do tutorial do jogo denominada Café Torrado. Dentre as fases do percurso metodológico destaca-se a avaliação, que possibilitou identificar e analisar o nível de conhecimento  adquirido decorrente da utilização do objeto de aprendizagem - o Fire in Rio, durante um experimento realizado em Instituição de Ensino Superior, localizada no Estado do Rio de Janeiro. Os resultados permitiram inferir que o jogo possui mais aspectos educativos do que a de um simples jogo para diversão, pois foi eficaz como objeto de experiência no processo de ensino e aprendizagem, conforme o excelente desempenho dos dois Grupos participantes, que obtiveram índices de acertos superiores a 80% em cada objetivo previsto na fase tutorial.

Biografia do Autor

Marcos Antonio Gomes Xavier, Sócio Fundador e CEO da Ita House Informática. Mestre em Novas Tecnologias Digitais na Educação. Doutorando em Gestão de Sistemas Complexos pelo PPGI/UFRJ
Na Ita House Informática atuo como CEO da empresa. Líder de varias equipes de projetos em diversos ramos de atividades comerciais e industriais. No CEDERJ atuo como Tutor presencial na disciplina de Introdução à Informática, coordenada pela UNIRIO/UFF, para os cursos de nível superior, ofertados pelo Consórcio CEDERJ, Fundação CECIERJ, UAB, no Polo Campo Grande / RJ.  

Referências

ARENDT, R. J. J. O desenvolvimento cognitivo do ponto de vista da enação. Psicol. Reflex. Crit. Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 223-231, 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722000000200003&lng=en&nrm=iso . Acesso em: mai. 2021. https://doi.org/10.1590/S0102-79722000000200003.
ARTIGUE, M. Engenharia Didática. In: BRUN, J. (org.). Didáticas das matemáticas. Lisboa: Instituto Piaget, 1996, Cap. 4, p. 193-217.
BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 - NR 23 - Proteção Contra Incêndios. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 06 jul. 1978. Disponível em: http://trabalho.gov.br/. Acesso em: set. 2020.
CLUA, E. W. G.; BITTENCOURT, J. R. Uma nova concepção para a criação de jogos educativos. Simpósio Brasileiro de Informática na Educação – SBIE. Disponível em: http://www.joinville.udesc.br/portal/professores/marcelo/materiais/Clua_e_Bittencourt_2004_ __Cria__o_de_Jogos_Educativos___minicurso.pdf. Acesso em: set. 2019.
DOLZ, J; NOVERRAZ, M; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: DOLZ, J; SCHNEUWLY, B; e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas/SP: Mercado de Letras, 2011.
EINHARDT, L. W.; SEVERO, C. E. P. Jogo acidente zero: elementos de gamificação para o ensino e aprendizagem de saúde e segurança do trabalho em um curso técnico integrado. RENOTE: Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 18, n. 1, 2020. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/renote/article/view/105936. Acesso em: set. 2020.
GUIMARÃES, Y A. F.; GIORDAN, M. Elementos para validação de sequências didáticas. In: Encontro Nacional de Pesquisa Em Educação Em Ciências, 9 – IX ENPEC, 10 a 14 de nov., 2013. Águas de Lindóia, SP. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R1076-1.pdf. Acesso em: Mar 2020.
JANSSEN, F.; XAVIER, B. L.; SERVA, V. J.; SANTOS, R. P. Investigando a elaboração de Narrativas em Jogos Sérios. Sociedade Brasileira de Computação. SBGames. 2019. Disponível em: https://www.sbgames.org/sbgames2019/files/papers/IndustriaFull/197794.pdf. Acesso em: set. 2020.
JORDÃO, E. A. Jogos de empresa como ferramenta de ensino em transportes: uma aplicação no transporte rodoviário de cargas no Brasil. 2010. 186 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Transportes) - COPPE, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.Disponível em: https://docplayer.com.br/47176827-Jogos-de-empresa-como-ferramenta-de-ensino-em-transportes-uma-aplicacao-no-transporte-rodoviario-de-cargas-no-brasil-emmanuela-de-almeida-jordao.html. Acesso em: set. 2019.
KOCHANSKI, D. Um framework para apoiar a construção de experimentos na avaliação empírica de jogos educacionais. 2009. 224 f. Dissertação (Mestrado em Computação Aplicada) UNIVALI, São José, 2009. Disponível em: http://siaibib01.univali.br/pdf/Djone%20Kochanski.pdf. Acesso em: set. 2020.
LUDES - Ludologia, Engenharia e Simulação. O que são jogos: uma introdução ao objeto de estudo do ludes. Relatório Técnico do LUDES 2017/01. Relatório Técnico do PESC 752. PESC - Programa de Engenharia de Sistema e Computação. COOPE. UFRJ. Disponível em: https://www.cos.ufrj.br/index.php/pt-BR/publicacoes-pesquisa/details/15/2766. Acesso em: set. 2019.
MORAN, J. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. 2013. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/metodologias_moran1.pdf. Acesso em: out. 2020.
NICHELE, A. G.; SCHLEMMER, E. Aplicativos para o ensino e aprendizagem de química. RENOTE: Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 12, n. 2, 2014. Disponível em: www.seer.ufrgs.br/renote/article/download/53497/33014. Acesso em: out. 2020.
PAIVA, C. A.; TORI, R. Jogos digitais no ensino: processos cognitivos, benefícios e desafios. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, PPGEE - Engenharia da Computação, Brasil. SBC – Proceedings of SBGames, 11. 2017 | ISSN: 2179-2259. XVI SBGames – Curitiba – PR – Brazil, November 2nd - 4th, 2017. Disponível em: https://www.sbgames.org/sbgames2017/papers/CulturaShort/175287.pdf. Acesso em: set. 2020.
RIO DE JANEIRO. (Estado). Decreto nº 46.925, de 05 de fevereiro de 2020. [Altera o Decreto nº 42, de 17 de dezembro de 2018. Regulamenta o Decreto-lei nº 247, de 21 de julho de 1975. Dispondo sobre o código de segurança contra incêndio e pânico – COSCIP]. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro, RJ. Disponível em: http://www.cbmerj.rj.gov.br/pdfs/from_dgst/Decreto%20N%C2%BA%2046.925_05.02.2020_retificado_DOERJ%20036_27.02.2020.pdf . Acesso em: set. 2019.
RODRIGUES, R. S. C.; SILVA, A. E. B. de C.; OLIVEIRA, L. M. de A. C.; BRASIL, V. V.; MORAES, K. L.; CORDEIRO, J. A. B. L. Incêndio em edificações hospitalares: conhecimento dos profissionais de enfermagem sobre prevenção, combate e escape. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2014 abr/jun;16(2):330-7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v16i2.25054. Acesso em: abr. 2020.
SANTO, A. C. do E. Estudo da viabilidade do uso de realidade virtual na criação de uma ferramenta de apoio ao planejamento de segurança física em instalações nucleares. Rio de Janeiro: CNEN/IEN, 2013.
SANTOS, M. S. SCARABOTTO, S. C. A.; MATOS, E. L. M. Imigrantes e nativos digitais: um dilema ou desafio na educação? CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - EDUCERE, 10. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/5409_3781.pdf. Acesso em: set. 2020.
SEITO, A. I. GIL A. A.; PANONI, F. D.; SILVA, R. O. S. B. da; CARLO, U. D.; SILVA, V. P. A segurança contra incêndio no Brasil. São Paulo: Projeto Editora, 2008. p. 496. Disponível em: http://www.ccb.policiamilitar.sp.gov.br/portalcb/_publicacoes/books/aseguranca_contra_incendio_no_brasil.pdf. Acesso em: set. 2019.
SCHUCK, R. J.; NEUENFELDT, A. E.; GOULART, L. K. Ensino em tempos de TDIC: percepções e práticas de professores do ensino superior. Revista Prática Docente (RPD), Instituto Federal de Mato Grosso - Campus Confresa, ano 2019, v. 4, n. 2, p. 823-833, 27 dez. 2019. DOI https://doi.org/10.23926/RPD.2526-2149.2019.v4.n2.p823-833.id512. Disponível em: http://periodicos.cfs.ifmt.edu.br/periodicos/index.php/rpd/article/view/512. Acesso em: mai. 2020.
TEIXEIRA, V. C. Estudo da segurança contra incêndio e pânico nas edificações urbanas: boates e clubes sociais. 2013.173 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Urbana) - Universidade Estadual de Maringá. Maringá, 2013 Disponível em: http://www.peu.uem.br/VaniaCristina.pdf. Acesso em: abr. 2020.
UNICARIOCA. Site Unicarioca, Cursos, Mestrado, Novas Tecnologias Digitais na Educação, Objetivos. 2020. Disponível em: https://unicarioca.edu.br/cursos/mestrado/novas-tecnologias-digitais-na-educacao. Acesso em: abr. 2020.
VAHLDICK, A.; SILVA, T. da. Um Jogo Sério para Suportar o Aprendizado do Modelo Atômico de Bohr. RENOTE: Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 18, n. 1, 2020. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/renote/article/view/105940. Acesso em: set. 2020.
VALENTE, J. A. Tecnologias e Educação a distância no ensino superior: Uso de metodologias ativas na graduação. Revista Trabalho & Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, ano 2019, v. 28, n. 1, p. p.97-113, 21 fev. 2019. ISSN 1516-9537| e-ISSN 2238-037X. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9871/9929. Acesso em: mai. 2020.
ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.
ZANELLA, L. C. H. Metodologia de estudo de pesquisa em administração. 2.ed. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração / UFSC, 2012.
Publicado
2021-06-24