MULTILETRAMENTOS E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA CONTEMPORANEIDADE

  • Luana Gomes Pereira Bacharel e licenciada em Letras Português/Inglês pela UFRJ. Mestre e doutora em Linguística pela UFRJ. Mediadora pedagógica presencial do CEDERJ. https://orcid.org/0000-0002-1709-781X
Palavras-chave: Multiletramentos, Gêneros textuais, Ensino, BNCC, Língua Portuguesa

Resumo

A vivência em um mundo multicultural, com a integração de diversas semioses, leva-nos a repensar o ensino de língua na escola e as inevitáveis mudanças emergentes para adequá-lo às necessidades atuais. Neste sentido, este trabalho busca apresentar considerações sobre os desdobramentos dos multiletramentos com o uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) e sua relação com o ensino de língua portuguesa na Educação Básica. Faremos uma exposição de levantamento bibliográfico, tendo em vista a utilização dos gêneros textuais discursivos contemporâneos prevista na BNCC (Base Nacional Comum Curricular) e a abordagem de ensino de multiletramentos, buscando refletir sobre como as novas tecnologias podem influenciar nossa prática institucional de ensinar e aprender no século XXI. Com esta análise, concluímos que é necessária uma postura reflexiva do educador que atua como um facilitador da aprendizagem significativa, tornando o aluno um sujeito ativo na construção do conhecimento da língua ao demonstrar domínio na produção e utilização dessas linguagens.

Referências

ANECLETO, U.; OLIVEIRA, M. S. Tecnologias digitais, pedagogia dos multiletramentos e formação de professor: caminhos da pesquisa colaborativa. In: FERRAZ, O. Educação, (multi)letramentos e tecnologias: tecendo redes de conhecimento sobre letramentos, cultura digital, ensino e aprendizagem na cibercultura. Salvador. EDUFBA. 2019.

BAKHTIN, M. Gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BRASIL. MEC. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: MEC: 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/12/BNCC_19dez2018_site.pdf. Acesso em: 01 abr. 2021.

BRASIL. MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: língua portuguesa. Brasília: MEC SEF, 1998.

GERALDI, J. W. (Org.) O texto na sala de aula: leitura e produção. 2. ed. Cascavel: ASSOESTE, 1985.

LEVY, P. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 1999.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. São Paulo. 2002. In: DIONÍSIO, Ângela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora (org.). Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

MENDES GONTIJO, C. M. Base Nacional Comum Curricular (BNCC): comentários críticos. Revista Brasileira de Alfabetização, 1(2). 2015. Disponível em: https://doi.org/10.47249/rba.2015.v1.68. Acesso em: 10 abr. 2021.

MEURER, J. L.; MOTTA-ROTH, Desirée. (orgs.). Gêneros textuais e práticas discursivas: subsídios para o ensino de linguagem. Bauru: Edusc, 2002

ROJO, R. Linguagens, códigos e suas tecnologias. In: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Departamento de Políticas do Ensino Médio. Orientações curriculares do ensino médio. Brasília, 2004.

ROJO, R.; MOURA, E. (orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

SILVA, C.T.C.; TROTTA, L. Educação de jovens e adultos e língua portuguesa: um estudo da inovação possível a partir da percepção de alunos e professores de outras disciplinas. RECITE - Revista Carioca de Ciência, Tecnologia e Educação. Rio de Janeiro: v. 4, n. 1, jul./dez., 2019. DOI: https://doi.org/10.17648/2596-058X-recite-v4n1-4 Acesso em: 10 abr. 2021.

SWALES, J. M. Genre analysis: English in academic and research settings. Cambridge: CUP, 1990.

THE NEW London Group. A pedagogy of multiliteracies: designing social futures. Harvard Educational Review, Cambridge.66(1), 60-92, 1996.
Publicado
2021-07-01