VIOLÊNCIA CONTRA A COMUNIDADE LGBTQIA+

PROPOSTA DE AÇÃO EDUCACIONAL E DE USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DIGITAIS PARA O COMBATE DA LGBTFOBIA

Palavras-chave: homofobia, violência de gênero, lgbtqia, ação educativa

Resumo

Este artigo trata de uma análise investigativa para entender a violência contra o grupo LGBTQIA+, tendo como base as reflexões sobre os tipos de violências refletidas na Campanha da Fraternidade 2018 e propor uma intervenção educativa no evento FLICC (Fórum Literário e Científico do Castelo), ação curricular proposta pelo Instituto Nossa Senhora da Glória – Castelo – Macaé – RJ. O Brasil é o país que mais mata pessoas da comunidade LGBTQIA+ no mundo. Nas sociedades marcadas pelas (in)diferenças e (des)igualdades do atual tempo, os LGBTQIA+ devem ser refletidos em suas diversas dimensões, na busca de entender como eles acabam vivenciando as dificuldades da violência e falta de aceitação no meio social. Muitas pessoas pensam que agressão é quando existe uma troca de violência física, mas existem outras formas de agressões e violências. Respeito é a palavra-chave para que a sociedade saiba lidar com o outro, as escolhas e as diferenças. A comunidade LGBTQIA+ quer poder viver e não apenas sobreviver no mundo. Em pleno século XXI é preciso discutir esse assunto em todos os espaços sociais para se abrir o debate, o respeito, a tolerância e poder fazer valer a voz deles, assim como a de Pablo Vittar em seu clipe Indestrutível, 2018: "São milhares de adolescentes que, assim como eu, sofreram esse tipo de agressão. Tá na hora de transformar o preconceito em respeito, de aceitar as pessoas como elas são e querem ser. Tá na hora de olhar na cara da homofobia e dizer: eu sou assim, e daí?"

Biografia do Autor

Nilson Antônio Guzzo Junior, Projeto Social Aretê, CBO, CAF

Mestre em Novas Tecnologias Digitais na Educação pela Unicarioca, Pós Graduado em Turismo, Hotelaria e Eventos (Fênix Cursos/ Estácio de Sá), Licenciatura em Geografia e em Filosofia (FABRA), Graduação em Turismo (Estácio de Sá), Consultor em Metodologias Ativas, Consultor em Projeto de Vida, Fundador e Presidente do Projeto Social Aretê, Pesquisador - Grupo Pesquisa de Popularização da Ciência Unicarioca, Professor de Geografia, Informática, Filosofia e Sociologia Colégio Andrade de Figueiredo, Professor de Filosofia e Sociologia do curso pré-medicina do Colégio Bruno Ostmann, Professor de Geografia do Estado do Rio de Janeiro - Macaé (RJ).

Danielle de Almeida Moreira Candelária Martins, CSA Leblon; ND Recreio

Mestre em Novas Tecnologias Digitais na Educação  pela Unicarioca, Professora de Ciências e Biologia no CSA Leblon e Empreendedorismo e Projeto de Vida no ND Recreio.

Stephen Bigler, Estado do Rio de Janeiro

Mestre em Novas Tecnologias Digitais na Educação  pela Unicarioca, Diretor do Colégio Estadual Pernambuco (RJ) , Professor de Matemática, Física e coordenador no Colégio Estadual Jornalista Tim Lopes no Rio de Janeiro.

Referências

BOEHM, Camila. Não é ‘ideologia de gênero’, é educação e deve ser discutido nas escolas, diz pesquisadora. In: Portal Geledes. 26 mar. 2017. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2018.
FACEBOOK. Be Kind Brazil. Facebook News Room. [2022]. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2022.
FANTINI, João Ângelo. Raízes da Intolerância. São Carlos: EDUFSCAR. 2014. 146p.
FIGUEIREDO, R. M. D. (Org.). Prevenção às DST/Aids em Ações de Saúde e Educação. São Paulo: NEPAids, 1998.
GOLEMAN, Daniel; SENGE, Peter. O foco triplo. 1ª ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015. 123p.
HOMOFOBIA MATA. Wordpress. [2022]. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2022.
LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1997. 127p.
SANCHES, Danielle; CANTARATO, Andressa; AZEVEDO, Ana Luísa. Dados públicos sobre violência homofóbica no Brasil: 29 anos de combate ao preconceito In: DAPP FGV. Diretoria de Análises de Políticas Públicas da Faculdade Getúlio Vargas. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: . Acesso em: 27 set. 2018.
SHANKLE, Michael D. (ed.). The Handbook of Lesbian, Gay, Bisexual, and Transgender Public Health: A Practitioner's Guide To Service. Nova Iorque: Routledge, 2006.
SONDER. Make the most of your stay with the Sonder app. [2022]. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2022.
SOUTO, Luiza. Assassinatos de LGBT crescem 30% entre 2016 e 2017, segundo relatório. In: O Globo. Rio de Janeiro, 17 jan. 2018. Disponível em: . Acesso em: 27 set. 2018.
SWAIN, Keith W. Gay Pride Needs New Direction. In: The Denver Post. Denver, 21 jun. 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2022.
TODXS. Por um Brasil inclusivo e livre da discriminação. [2022a]. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2022.
TODXS. Guia LGBTI+ Facebook. [2022b]. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2022.
VILLA, Isabella. Não existe? 445 LGBTs foram mortos no Brasil em 2017. In: Claudia. 24 jan. 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2022.
VINHAL, Gabriela. Em 2018, 153 pessoas LGBTi já foram mortas no Brasil vítimas de preconceito. In: Correio Braziliense. Brasília, 17 mai. 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2022.
XAVIER, Cezar. Em 2021 houve 300 mortes violentas de LGBT no Brasil.2022. Disponível em: < https://pcdob.org.br/noticias/em-2021-houve-300-mortes-violentas-de-lgbt-no-brasil/>. Acesso em: 04 maio. 2022.
ZIOVARA. Orgulho LGBTQIA+ não é apenas por um mês, é para a vida toda. 2021. Disponível em: . Acesso em: 04 maio. 2022.
Publicado
2022-07-12