A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NO MODELO HÍBRIDO

UM INCENTIVO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA

Autores

  • Denise Gomes Santanna Secretaria Municipal de Educação de Mendes. Mestre em Novas Tecnologias Digitais na Educação https://orcid.org/0000-0002-9852-2223
  • Verônica Eloi de Almeida Doutora em Sociologia - Núcleo de Pesquisa em Sociologia da Cultura - UFRJ/IFCS. Pesquisadora do Mestrado em novas tecnologias digitais na educação - UNICARIOCA https://orcid.org/0000-0003-4694-8617
  • Alessandro Jatobá Analista de Gestão em Saúde no Centro de Estudos Estratégicos da FIOCRUZ. Professor no Centro Universitário Carioca. Doutor em Engenharia de Produção COPPE/UFRJ https://orcid.org/0000-0002-7059-6546

DOI:

https://doi.org/10.17648/2596-058X-recite-v5n1-4

Palavras-chave:

Aprendizagem Colaborativa, Formação Continuada, Ensino Híbrido

Resumo

O presente estudo busca entender em que aspectos um curso de formação continuada, fundamentado no ensino on-line e desenvolvido em ferramentas educacionais colaborativas, pode contribuir para o processo pedagógico de professores do Ensino Fundamental I. Desta forma, foi proposta a implementação de um curso de formação continuada de forma híbrida como forma alternativa e complementar na formação dos professores de 4º e 5º anos do Ensino Fundamental Anos Iniciais (EFAI) e de seus orientadores pedagógicos visando realçar a temática da relação educação e tecnologia, sob uma vertente específica: a utilização de tecnologias digitais colaborativas na formação continuada de professores, para o aprimoramento acadêmico e a busca pela melhoria da qualidade profissional tendo como resultado/consequência a qualidade do ensino da matemática. A proposta foi ancorada em um ambiente colaborativo (plataformas GOOGLE CLASSROOM® e WHATSAPP®) em que foram abordados assuntos de cunho pedagógico buscando influenciar de forma direta a prática pedagógica dos professores. Os dados obtidos mostraram que a proposta foi acolhida pelos participantes, que constataram a viabilidade de realizar formações continuadas na modalidade híbrida, ou seja, mesclando encontros presenciais com as novas tecnologias da comunicação, evitando o distanciamento do grupo.

Referências

COSTA, B. de O.; HENRIQUE, J. Preocupações pedagógicas de professores de educação física em diferentes estágios da carreira docente. In: ENDIPE 18, 2016. Universidade Federal de Mato Grosso, 2016. Disponível em: https://www.ufmt.br/endipe2016/downloads/233_10810_37638.pdf. Acesso em: 10 abr. 2019.

GARCIA, P. S.; Bizzo, N.; Fazio, X. Desafios da formação Continua a distância para professores de ciências. RIED, v. 17, nº 2, 37-57, 2014. Disponível em: http://revistas.uned.es/index.php/ried/article/view/12677/11872. Acesso em: 18 abr. 2019.

BRASIL. Lei 9394/96, de 23 de dezembro de 1996. Lei de diretrizes e bases para a educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 1996.

IBIAPINA, I. M. L. M. Pesquisa colaborativa: Investigação, Formação e Produção de Conhecimentos. Série Pesquisa. v. 17. Brasília: Liber Livro, 2008.

IMBÉRNON, Francisco. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. Prova Brasil e Saeb. Disponível em <http://portal.inep.gov.br/>. Acesso em: 15 out. 2019.

MARCELO, G. C. Formação de professores: para uma educação continuada. Porto: Porto Editora, 1999.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.

MORAES, D. A. F. de; GOMES, J.; GOUVEIA, S. As tecnologias digitais na formação inicial do pedagogo. Revista Linhas. Florianópolis, v. 16, n. 30, p. 214 – 234, jan./abr. 2014.

MORAN, J. M.; CH, L. Aprender e ensinar com foco na educação híbrida. Revista Pátio, n.25, junho, p. 45-47, 2015. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2015/07/hibrida.pdf. Acesso em: 15 mar. 2019.

NETA, M. da S.; CAPUCHINHO, A. C. Educação hibrida: conceitos, reflexões e possibilidades do ensino personalizado. IN: CONGRESSO SOBRE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO (Ctrl+2017), 2, 2017. Universidade Federal do Tocantins (UFT). 2017. Disponível em: http://ceur-ws.org/Vol-1877/CtrlE2017_AC_13_62.pdf. Acesso em: 20 out. 2018.

PANITZ, T. A definition of collaborative vs cooperative learning. Disponível em: http://www.lgu.ac.uk/deliberations/collab.learning/panitz2.html. Acesso em: 14 dez. 2019.

QDU. Evolução do aprendizado: Mendes. Disponível em: https://www.qedu.org.br/cidade/2785mendrs/idrb. Acesso em: 14 dez. 2019.

SIQUEIRA, L.M.M. A Metodologia de aprendizagem colaborativa no programa de eletricidade no curso de engenharia elétrica. Curitiba, 2003. 113 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

SILVA, Marco; CLARO, T. A docência online e a pedagogia da transmissão. Boletim Técnico do SENAC, v. 33, p. 81-89, 2007. TAURISSON, A. Réflexion générale: Le sens, l’ingénierie et la mise en place des communautés virtuelles d’apprentissage. In: Taurisson, A e Sentini (Eds.), A. Pédagogies.net. L’essor des communautés virtuelles d’apprentissage (p. 3-8). Sainte-Foy, Canada: Presses de L'Université du Québec, 2003.

VEIGA, I. P. A. Alternativas pedagógicas para a formação do professor da educação superior. In: VEIGA, I. P. A.;
QUIXADA, C. M. Q. (org.). Docentes para a educação superior: processos formativos. Campinas - SP: Papirus, 2010.

Publicado

2020-07-01

Como Citar

Gomes Santanna, D., Almeida, V. E. de, & Jatobá, A. (2020). A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NO MODELO HÍBRIDO: UM INCENTIVO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA. REVISTA CARIOCA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO, 5(1), 40–52. https://doi.org/10.17648/2596-058X-recite-v5n1-4

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)