AS CONTRIBUIÇÕES DA NEUROCIÊNCIA NA EDUCAÇÃO

POSSIBILIDADES PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

  • Patricia Marciano de Oliveira Professora em Escolas Municipais, nas cidades de Magé e Duque de Caxias / Mestra em Novas Tecnologias Digitais na Educação (UNICARIOCA). https://orcid.org/0000-0003-4965-0015
Palavras-chave: Neurociência, Aprendizagem Significativa, Informática Educativa

Resumo

O presente artigo apresenta um panorama dos estudos e aplicação da Neurociência na Educação com dados oficiais de avaliações externas do desempenho escolar no Brasil, por meio de uma revisão bibliográfica. Estabelece uma análise a partir de levantamento de dados por meio de questionário online com professores, que desempenham atividades com recursos tecnológicos digitais no processo ensino e aprendizagem em uma rede municipal de ensino no Estado do Rio de Janeiro. A partir dos dados indicativos sobre a temática da Neurociência na Educação fica evidente a necessidade de investimento na formação inicial e continuada dos professores, de forma que o processo ensino e aprendizagem ocorra em uma perspectiva colaborativa, em que professores e alunos possam interagir. Sendo o aluno o protagonista da aprendizagem, ativo e integrado às atividades que constituem o aprendizado. E assim todos os atores do processo educativo possam contribuir para a construção de um currículo com viés mais colaborativo que conduza para uma aprendizagem significativa.

 

Referências

BASTOS, Lijamar de Souza; ALVES, Marcelo Paraíso. As influências de Vygotsky e Luria à neurociência contemporânea e à compreensão do processo de aprendizagem. Revista Práxis, ano v, n.10, p. 41-53. dez. 2013. Disponível em: http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/praxis/article/view/580. Acesso em :18 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Avaliação Nacional da Aprendizagem (ANA). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=75181-resultados-ana-2016-pdf&category_slug=outubro-2017-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 21 jun. 2018.

FONSECA, Vitor da. Cognição, neuropsicologia e aprendizagem: abordagem neuropsicológica e psicopedagógica. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

GOLEMAN, Daniel; SENGE, Peter. O foco triplo: uma nova abordagem para a educação; tradução Cássio de Arantes Leite. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015. GROSSI, Márcia Gorett Ribeiro et al. Uma reflexão sobre a Neurociência e os padrões de aprendizagem: A importância de perceber as diferenças. Debates em Educação, Maceió, v. 6, n. 12, p. 93, dec. 2014. ISSN 2175-6600. Disponível em: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/759. Acesso em: 22 jun. 2018. doi:http://dx.doi.org/10.28998/2175-6600.2014v6n12p93.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD). Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-detalhe-de-midia.html?view=mediaibge&catid=2103&id=1997. Acesso em: 21 jun. 2018.

LOPES, Aline Moraes, GROSSI, Márcia Gorett Ribeiro, et al. A neurociência na formação de professores: um estudo da realidade brasileira. Revista da FAEEBA. Salvador. v.3, n. 41, p.27-40, jan/jun. 2014. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/821. Acesso em: 20 jun. de 2018.

PINK, Daniel H. A revolução do lado direito do cérebro. Rio de Janeiro: Campus. 2005.

RAMOS, Angela Souza da Fonseca. Dados recentes da Neurociência fundamentam o método “Brain-Base Learning”. Revista Psicopedagogia, v.31, n. 96 p. 263-274, 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psicoped/v31n96/04.pdf. Acesso em: 20 jun. 2018.

RELVAS, Marta Pires. Neurociência e transtornos de aprendizagem: as múltiplas eficiências para uma educação inclusiva. 6ª ed. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2015.

RELVAS, Marta Pires. Fundamentos biológicos da educação: despertando inteligências e afetividade no processo de aprendizagem. 4. ed. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2009.

RIFKIN, Jeremy. A terceira revolução industrial: como o poder lateral está transformando a energia, a economia e o mundo. São Paulo: Mks do Brasil, 2012.
Publicado
2020-07-01