APROFUNDANDO O CONHECIMENTO SOBRE A ZONA DE DESENVOLVIMENTO PROXIMAL (ZDP) DE VYGOTSKY

  • Renato Guimarães Rodrigues Estatístico. Pós-graduado em Engenharia de Produção pela UERJ com MBA em Controladoria pela CEFET https://orcid.org/0000-0002-2822-4343
  • José Luiz Teixeira da Silva Professor Supervisor Educacional na FAETEC-RJ, José Luiz Teixeira da Silva.  Especialista em Psicopedagogia; em Pedagogia Empresarial; em Direito Público. Doutorando em Educação. https://orcid.org/0000-0002-8546-0203
  • Marcos Antonio Silva Mestre em educação em ciências e saúde - NUTES da UFRJ. Pesquisador e Professor no Centro Universitário Unicarioca https://orcid.org/0000-0002-8547-1359
Palavras-chave: Desenvolvimento proximal, Mediação, Cognição, Aprendizagem social

Resumo

O presente artigo apresenta uma revisão bibliográfica com objetivo de aprofundar o conhecimento do leitor sobre a relevância do conceito de zona de desenvolvimento proximal de Vygotsky no contexto do desenvolvimento de propostas de criação de tecnologia social, e sua importância para uma aprendizagem significativa, por meio da educação em espaços não formais. A aprendizagem colaborativa possibilita a construção do conhecimento, a partir dos processos de interação social. Para a análise, utilizou-se a revisão bibliográfica da literatura, uma vez que tanto o conhecimento popular quanto o conhecimento científico se misturam no cotidiano em diferentes realidades fora dos muros da escola, apresentando questões que precisam ser debatidas. O conhecimento popular se correlaciona com o conhecimento científico. Esse conhecimento constitui um conhecimento contingente, pois suas proposições ou hipóteses possuem sua veracidade ou falsidade conhecida por meio da experimentação, e não apenas pela razão. Esse artigo conclui recomendando fortemente o uso da aprendizagem colaborativa a partir da aplicação do conceito de zona de desenvolvimento proximal (ZDP) como uma das estratégias para criação e desenvolvimento de tecnologia social que pode e deve ser explorado pelos educadores estimulando o engajamento em situações de aprendizagem cada vez mais complexas.

Biografia do Autor

Renato Guimarães Rodrigues, Estatístico. Pós-graduado em Engenharia de Produção pela UERJ com MBA em Controladoria pela CEFET

 

 

Referências

ALBERTO, Maria de Fátima Pereira, SANTOS, Denise Pereira dos. Trabalho infantil e desenvolvimento: reflexões a luz de Vigotski. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 16, n. 2, p. 209-218, abr./jun. 2011.
ANDRADE, Marcelo, et al. Educação em direitos humanos e formação de professores (as). São Paulo: Cortez, 2013.
ARAUJO. E. S. Da formação e do formar-se: a atividade de aprendizagem docente em uma escola pública. 2003, 186 f. Tese (Doutorado em Educação: Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.
BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011
BERNARDES, M. E. Mediações simbólicas na atividade pedagógica: contribuições do enfoque histórico-cultural para o ensino e aprendizagem. 2006, 330 f. Tese (Doutorado em Educação: Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.
BRUNER, J. S. Models of the learner. Educational Researcher, 14, 5-8, 1985.
CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. Ensino de ciências por investigação. São Paulo. Cengage Learning, 2013.
FONSECA,Vitor da. Desenvolvimento psicomotor e aprendizagem. Porto Alegre: Artemed, 2008.FONSECA, Vitor da. Desenvolvimento cognitivo e processo de ensino-aprendizagem: abordagem psicopedagógica à luz de Vygotsky. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 59. ed – Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019.
GITTI, Gustavo. Educação e transformação humana: a teoria de Maturana e Varela e seus desdobramentos filosóficos, práticos e vivenciais: 2009. Linkedin.
ILLERIS, KNUD. Teorias contemporâneas de aprendizagem. São Paulo: Penso, 2013.
KOSULIN, A.; GINDIS, B.; AGEYEV, V., Miller, S. Vygotsky’s educational theory in cultural context. Cambridge, England: Cambridge University Press, 2003.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia Científica. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2011.
LEFRANÇOIS, Guy R. Teorias da aprendizagem: o que a velha senhora disse. São Paulo: Cengage Learning, 2008.
LEMOS, M.; PEREIRA-QUEROL, M.A.; ALMEIDA, I.M. A teoria da atividade histórico-cultural e suas contribuições à educação, saúde e comunicação: entrevista com Yrjö Engeström, Interface - Comunicação, Saúde e Educação: São Paulo, v.17, n.46, p.715-27, jul./set. 2013.
LUNT, I. A prática da avalição. In: DANIELS, H. (Org.). Vygotsky em foco: pressupostos e desdobramentos. Campinas-SP: Papirus, p. 219-252,1994.
MORATO, Edwiges Maria. Vigotski e a perspectiva enunciativa da relação entre linguagem, cognição e mundo social, Educação & Sociedade, ano XXI, nº 71, julho 2000
TOMASELLLO, M. The Cultural Origins of Human Cognition. Cambridge: Harvard University Press, 1999.
VIGOTSKI, L. S. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: VIGOTSKII, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 7. ed. São Paulo: Ícone, p. 103-119, 2001.
VYGOTSKY. L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1989.
VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R. Estudos sobre a história do comportamento: símios, homem primitivo e criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
VYGOTSKY. L. S. Mind in society : the development of higher psychological processes- Cambridge MA: Harvard University Press, 1978.
WERTSCH, J. “FORWORD”. In: VYGOTSKY , L.S.; LURIA, A.R. (Ed.), Studies on the History of Behavior : ape,primitive and child. Hillsdale. NJ: Lawrence Erlbaum Associates, 1993. (pp. IX-XIII)
Publicado
2021-07-01